Já me habituei a ser ignorado,
a só me ligarem se for mal-educado.
Hoje só vos peço que desliguem a televisão,
percam a única novela que da morte faz ficção.
Que por um minuto esqueçam as redes sociais,
Prestem atenção às noticias que vão sendo virais,
Guerras, atentados, assaltos, até rixas juvenis
O jornal que não posso pintar é tudo o que diz.
Relembram-me as crianças que não têm comida,
Esquecem as que fogem, e até às que dão vida.
Dizem mal da vizinha, só se preocupam com o pão
À entrada da igreja ignoram os que estendem a mão.
Há tempo para discutir qualquer jogo de futebol,
Menos para comigo jogar em dias de sol.
Com 10 anos já pergunto ‘Para que quero ser adulto?’
Se no futuro a esperança me parece um vulto.
Deito a pistola de plástico ao lixo de olhos lavados,
Os verdadeiros piratas são adultos malvados.
Só queria que aproveitassem melhor o vosso tempo,
Porque palavras e infância leva-as o vento.