ELE                                                                                                   ELA

Os ponteiros já apontam                                  O relógio da rua já acerta
A hora de maior pesar,                                      O que tento não despertar,
Quando a solidão chega                                     Mas ao desviar as cortinas,
E não deixa descansar.                              Todas as ilusões parecem espreitar.
Encosto o seu peso                                               A testa cedo descansa
À árvore que costumas galar                             Na janela que uso para sonhar,
Fogem-lhes frios prateados                              Os olhos caem sob a árvore,
Aqueles de que costumavas falar.         Onde uma sombra costumo imaginar.
Procuro as cortinas azuladas                              E aqueles fios prateados
Fugindo do teu vago olhar,                                  De que tanto costumava falar,
A luz do quarto abraça a silhueta,                     Não passava de esperança
Que todas as noites tento decorar.                    Da tua atenção captar.
Vagueias em pensamentos                                   Abandono a leve sombra,
Que tanto desejava adivinhar,                             Tal como te deveria deixar,
Sei que não tocam em mim,                                 Revela-se mais que difícil,
E que bem longe deveria estar.           Sabendo que também não estás a tentar